sexta-feira, 30 de julho de 2010

Feliz por dançar


Acho que todos já ouviram falar do programa So You Think You Can Dance.

Não deve ser surpresa nenhuma eu falar que sou viciada nesse programa, certo?

Sabe o que me atrai nele?

Além do talento surpreendente dos dançarinos, a paixão que eles mostram pela dança.

Isso chega e me arrepiar e até a me fazer chorar quando eu consigo perceber e sentir todo esse sentimento através das excelentes coreografias que apresentam.

Eu entendo todo o sofrimento deles nos ensaios, para aprender e decorar os passos, para conseguir entrar na contagem da música.

Eu entendo a dor que eles sentem, a força que fazem para que saltem no tempo certo, em sincronia com quem estão dançando.

E uma coisa que me deixou muito feliz essa semana soi saber, através do programa, que a Gatorade reconhecerá, pela primeira vez, a dança como um esporte.

Eu sempre brinquei dizendo que eu só sou boa em esportes se a dança for considerada como um.

Agora acho que não preciso mais optar por isso.

Além disso, me alegra ver que a ideia de uma simples pessoa (tá, do produtor executivo do programa, Nigel Lythgoe) tomou imensas formas.

Foi cogitada a possibilidade de se fazer um Dia Nacional da Dança nos Estados Unidos.

Coreógrafos, artistas, grandes nomes do mundo da dança aderiram à ideia e amanhã serão realizados inúmeros eventos de dança em todo o país, de aulas de dança a flashmobs dos Congressistas em Washington, todos poderão sentir o prazer que a dança oferece.

Eu queria que as coisas fossem assim por aqui, que as pessoas entendessem um pouco mais de dança. Não digo para saberem os nomes dos passos, para entenderem a técnica. Compreender a beleza e a força já basta.

Eu sou feliz por poder dançar. E você?



- Indicação de música: Alana D. - Break it down

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Vozes

Posso parecer louca quando digo isso, mas eu ouço vozes.
Vozes que chamam por meu nome.
Vozes retiradas de vídeos que guardam lembranças da minha infância.
Quero me esconder, não quero correr o risco de várias pessoas presenciarem minhas reações ao ouvir e relembrar essas vozes.
Quero poder dar aquele sorriso bobo quando me lembrar daquele garotinho brincando comigo, quero poder rir quando me lembrar da minha mãe gritando para eu parar de andar sapateando pela casa.
Na verdade, quero sempre poder ouvir essas vozes.
Talvez só assim eu possa deixar toda essa confusão pela qual minha vida passa agora de lado, guardada numa caixa no fundo do armário.
Quero me esconder, mas também quero me achar.
Quero me ver quando criança, quero poder presenciar agora aquele momento de anos atrás.
Quero ver minhas verdadeiras expressões e reações do momento, não as que sobressaíram no vídeo.
Eu quero mesmo é poder sonhar que um dia tudo deixará de ser tão confuso e voltará a ser tão simples como era naquela época.
Quero continuar ouvindo essas vozes que me fazem rir e chorar, não quero que o tempo tire tudo isso de mim.
Vozes, vozes, não me façam parecer louca, apenas feliz.

- Indicação de música: Meiko - Heard it all before

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A dança em nome da solidariedade

O impacto com a tragédia das chuvas e a sensibilidade com o drama de vizinhos e conhecidos que perderam suas casas levou o pessoal do grupo Nikit Dancers a promover, nos dias 15 e 16 de maio, um workshop solidário de hip hop e danças urbanas na quadra do clube Canto do Rio, principal posto de recolhimento de doações.
“Como já fazemos o UpGrade workshop há dois anos, temos um público cativo, é um evento já conhecido. Já que temos essa ferramenta, por que não usá-la para ajudar o próximo?”, comentou a diretora e organizadora do UpGrade Workshop, Alessandra Mattos.
Os cerca de 60 participantes viram na iniciativa a possibilidade de aprimorarem sua dança enquanto ajudavam, através das doações, famílias ainda desabrigadas. “O caráter solidário contribuiu para eu estar aqui. Estou num momento juntando trapos. Além disso, no Rio, onde eu trabalho, é difícil um evento desse tipo acontecer”, disse Rodrigo Mendes, estudante do 3º período de Dança na UniverCidade.
O workshop contou com a colaboração dos DJs Williamy e Bruno, dos professores Rodrigo Bernardi, Marcelle Pessanha, Josh Antônio, Bernardo Stumpf, Bárbara Lima, Tito Lacerda, JP-Black e Juliana Donato, todos como voluntários.
“É incrível ter professores de tão alto nível envolvidos na causa”, ressaltaram Ryan Lopes e João Fellipe, também participantes.

No total, foram arrecadados 410 itens de higiene pessoal, 50kg de alimentos não perecíveis e 8 grandes sacos de roupas, tudo organizado em dez cestas básicas entregues diretamente às famílias desabrigadas.



- Essa foi uma matéria que eu fiz para a faculdade. Tudo bem que estamos em julho e esse evento que eu cobri foi em maio, mas nunca é tarde quando o assunto é solidariedade e dança, pelo menos eu vejo as coisas assim.
Acho que aqui pode ficar a "lição" de que a dança não é um mundo paralelo, isolado de tudo e todos. Todos podem e devem dançar. E se isso tem um lado solidário, é ainda mais gratificante.

Aqui está um vídeo sobre o evento: http://www.youtube.com/watch?v=8MEKwqSrC0g


- Indicação de música: Joy Williams - Charmed Life